Foucault

Michel Foucault, (1926-1984) nascido em Poitiers na França, estudou filosofia após o término da segunda guerra mundial. Contrariando o pensamento de Descartes que parte da certeza da existência a partir da capacidade de pensamento do indivíduo, Foucault considera o homem mais como um efeito da sociedade, do que como causa de tudo.

O sujeito, como indivíduo, surge como um ritual social a partir da idade média. O homem, portanto, é uma invenção recente. Para ele a história é descontínua, e não faz sentido falarmos da existência de um progresso social. As estruturas do Saber tem uma afirmação, desenvolvimento e decadência, inexistindo uma continuidade, ou um progresso. Os conceitos existente não podem ser aplicados no passado, e nem serão eternos. A distinção entre Loucura e Sanidade não é real, mas sim, uma construção social.

Dentre suas principais obras, citamos:

História da Loucura
As Palavras e as Coisas
Vigiar e Punir
Entre Naturalismo e Religião
O Nascimento da Clínica
Arqueologia do Saber
Bibliografia de referência:
REALE, Giovanni – ANTISERI, Dario – História da Filosofia – Volume 3 – Editora Paulus – 1990
O livro da Filosofia – Editora Globo – 2011
STORIG, Hans Joachim – História Geral da Filosofia – Editora Vozes – 2008