Habermas

Jurgen Habermas, (1929 – ) nascido em Dusseldorf, e ainda vivo, é um filósofo e sociólogo alemão, foi assistente de Adorno, estimulou o movimento estudantil alemão na segunda metade da década de 60. Para ele, o avanço da sociedade moderna depende não só de avanços tecnológicos, mas também da capacidade do indivíduo criticar e pensar coletivamente sobre suas próprias tradições. A razão acha-se presente no nosso dia a dia, com um caráter justificativo de nossas ações. Esta razão comunicativa se dá, no que ele chama de Esfera Pública – que se encontra fora do controle do Estado, caracterizando pelo espaço que permite ao indivíduo se expressar, criticando e questionando o modelo, podendo aí, construir um novo consenso que pode vir a modificar a sociedade. É essa atuação que limita o poder do Estado, e leva a uma participação mais ativa e consciente do homem na sociedade.

Transcrevendo o expresso no Livro da Filosofia, “A expansão da esfera pública, a partir do século XVIII, levou a um crescimento das instituições políticas democraticamente eleitas, tribunais independentes e declaração de direitos. Mas Habermas acredita que muitos desses freios contra o uso arbitrário do poder estão agora ameaçados. Os jornais, por exemplo, podem oferecer oportunidades para diálogos ponderados entre indivíduos privados, mas se a imprensa é controlada por grandes corporações, tais oportunidades podem diminuir. Os debates qualificados sobre questões relevantes são substituídos pela fofoca de celebridades – de agentes críticos e racionais somos transformados em consumidores irracionais.”

Dentre suas principais obras, citamos:

Para a Lógica das Ciências Sociais
Conhecimento e Interesse
Teoria do Agir Comunicativo
Entre Naturalismo e Religião
Bibliografia de referência:
REALE, Giovanni – ANTISERI, Dario – História da Filosofia – Volume 3 – Editora Paulus – 1990
O livro da Filosofia – Editora Globo – 2011
STORIG, Hans Joachim – História Geral da Filosofia – Editora Vozes – 2008