Maquiavel

Nicolau Maquiavel (Niccolò di Bernardo dei Machiavelli) nasceu e morreu em Florença (1469-1527), tinha como desejo a unificação da Itália, que à época estava dividida entre vários reinos e cidades-estados (para referência, a Itália como a conhecemos somente foi unificada e tomou essa forma territorial e política em 17 de março de 1861).

Atingiu seu auge no governo de Lourenço de Medici, tendo exercido o cargo de Secretário da Segunda Chancelaria. É considerado como o fundador do pensamento e da ciência política moderna. Com uma postura e pensamento anticlerical, reconhece a divergência entre os princípios do “SER” e do “DEVE SER”; isto é, reconhece a fraqueza humana, e apesar de conhecedor daquilo que “DEVE SER”, aceita e compreende a realidade que “É”.

Sua principal obra e mais conhecida, se chama “O Príncipe”, e representa uma série de lições e conselhos que consideram a realidade humana, e visam orientar o detentor do poder político na sua busca de manutenção deste poder.

Como principais pontos de atenção temos:
I) a aceitação da realidade do homem, entendendo suas falhas de caráter e seus interesses pessoais;
II) a necessidade da “virtude” do Príncipe para a condução do processo político. A “virtude” aqui está ligada ao conceito grego de “Areté”, ou seja, a virtude como habilidade, capacidade de dominar uma determinada situação, a astúcia.
III) a relação entre a “virtude” e a “sorte”, entendida aqui como a capacidade de fazer frente aos diversos e inesperados desafios durante a condução política. IV) a reafirmação e reconhecimento dos princípios estabelecidas na República Romana, centrados na liberdade e nos bons costumes.

Entre suas principais obras podemos citar:

– O Príncipe
– Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio
– A arte da guerra
– A Mandrágora (peça teatral que satiriza a sociedade da época e critica a Igreja Católica)

Bibliografia de referência:
STORIG, Hans Joachim – História Geral da Filosofia – Editora Vozes – 2008
REALE, Giovanni – ANTISERI, Dario – História da Filosofia – Volume 2 – Editora Paulus – 1990